Produtores irão ampliar área de soja plantada na região

Agronegócio

25 de setembro de 2020 20:15

Fernando Rogala


Relacionadas

Governo zera tarifa de importação para soja e milho

VBP passa de R$ 1 bilhão em nove cidades do Paraná

Boletim agropecuário registra avanço no plantio de milho

Estudo da Agricultura mostra cenário do mercado do leite
Brasil deve bater novo recorde na safra de grãos 2020/21
Municípios da região lideram produção agropecuária
Cenário externo fez rebanho bovino crescer em 2019
Área plantada de soja neste ano será cerca de 5 mil hectares superior ao registrado na última safra nos Campos Gerais Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Além da redução da área plantada de feijão, haverá uma migração de áreas de pastos e da silvicultura para o plantio de soja 

Produtores rurais da região dos Campos Gerais irão ampliar, nesta safra 2020/21, a área plantada de soja. Diante do alto preço de venda do grão, hoje cotado a R$ 125 a saca de 60 quilos (60% a mais que a média de R$ 78 em setembro de 2019), houve uma migração de feijão para soja, e mesmo áreas antes ocupadas pela silvicultura ou pastos, que agora passarão a produzir soja. Com isso, os 555 mil hectares ocupados com esse grão na safra colhida neste ano, passarão para 560 mil hectares nos Campos Gerais, o que representa um incremento de quase 1%. No Estado do Paraná, está prevendo um plantio recorde de 5,54 milhões de hectares na safra 20/21, segundo estimativa da Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento (Seab).

De acordo com Luiz Alberto Vantroba, economista do núcleo regional de Ponta Grossa do Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Seab, são cerca de 3 mil hectares novos destinados para a agricultura na região nesta safra. “As áreas de pastagem e áreas marginais, como os produtores chamam, e de reflorestamento, que chegaram no ponto de colheita, vão sendo destinadas para soja, mesmo essas áreas sendo menos produtivas. Isso ocorre devido aos bons preços praticados neste ano, em função do dólar e demandas dos outros países, e venda futura também, em torno de R$ 120, então isso estimulou produtores”, resume.

A janela de plantio da soja já teve início, com o término do vazio sanitário no dia 10 de setembro. Contudo, com a seca observada há mais de um mês, não houve o início do plantio, como tradicionalmente ocorre. Cenário o qual traz certa preocupação aos produtores, caso seja mantido pelas próximas semanas. “O plantio deve se intensificar a partir de outubro, entre os dias 1 e 10, de forma mais dinâmica, com mais intensidade. Mas por outro lado, o que preocupa é a estiagem: as últimas chuvas ocorreram no dia 22 de agosto, então estamos mais de um mês sem chuva”, informou Vantroba. 

Quanto aos outros cultivos, o milho terá uma leve variação para cima, de 67,6 mil hectares para 68 mil hectares. Já o feijão terá uma redução de quase 3 mil hectares, de 32,8 mil hectares para 30 mil hectares, o que significa uma baixa de 9%. Quanto ao rendimento previsto por cultura nos Campos Gerais, são 10,5 mil quilos por hectare no milho, 3,9 mil na soja e 2,3 mil quilos por hectare no feijão.


Produção estadual prevista será de 24,3 milhões de toneladas

A Secretaria também revelou uma estimativa de produção de 24,3 milhões de toneladas para a safra de grãos de verão 2020/21 no Estado do Paraná. Para o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, o quadro da maior estiagem dos últimos 100 anos pode ser preocupante, mas ele espera uma boa safra de grãos. “A situação este ano reforça a necessidade que o produtor tem de fazer um plantio direto cada vez mais correto, de alta qualidade, guardando mais água no solo com proteção de palhada bem feita para não enfrentar problemas com o clima”, ressaltou.


PUBLICIDADE

Recomendados