Crônicas: “Uma pequena Kiev em sublimação”

Mix

21 de outubro de 2020 10:40

Da Redação


Relacionadas

Lago de Olarias ganha árvore de Natal gigante

‘Literatura para a UEPG’ recebe inscrições para aulas sobre obras do PSS

Moda: Versatilidade resgata acessórios de diversos estilos para este verão

Scilas Oliveira lança novo trabalho musical
Museu Holandês de Arapoti terá recursos da Lei Rouanet
Live às 19h abre exposição do MON em Ponta Grossa
Crônicas dos Campos Gerais: “A Bomboniere Aurora”
Uma célula engatinhando no mundo jurídico e às vezes taxado de “jovem com espírito de velho”. Alguém que aspira sempre aprender mais um pouco. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Texto de autoria de Eduardo Pauliki Solek Ferreira, acadêmico de Direito da UEPG

Carpinteiro, dona de casa, empresário, professoras, escriturário, vigilante, vendedor de assados e estudante de ciências jurídicas. Eis uma autêntica morada intergeracional. Orações, risadas, intrigas, lágrimas, novelas, pó e cupim.  Subsistindo setenta e cinco anos, bastou pouco mais de uma semana para desmanchá-la.  As telhas quando retiradas esfarelavam-se como paçoca nas mãos de uma criança agitada. As tábuas de madeira eram o esconderijo perfeito dos temidos aracnídeos. O que dizer dos pregos? A ferrugem já os infestava pela falta de proteção em seu romance incessante com a umidade dali.

Quando os três mosqueteiros (Altivir, Edson e João) empreenderam esforços para a remoção do teto, seu ajudante deparou-se com uma dicotomia poética: o que associar? “Era uma casa muito engraçada, não tinha teto não tinha nada” do poetinha, ou o desejo mágico de perseguir a noite para ser “capaz de ouvir e de entender estrelas” do príncipe? Quiçá sejam ambas as coisas. Durante movimentos precisos que cada obreiro fazia, as lembranças tornavam-se cada vez mais imateriais. Janelas haviam sido deslocadas, portas eram compelidas a beijar o chão, e um exército de variados insetos alvoroçava por toda parte do terreno. O refúgio do ucraniano que atravessou o Atlântico agora desaparecia sobre o solo da Vilela. Só que a autoria não vinha do impiedoso Kremlin. Aliás, agora era um bom propósito. O filho do imigrante novamente intervinha heroicamente em prol do bem-estar de seus consanguíneos.

Aos que ali na vez habitavam, mãos lhes foram estendidas antes da queda. Outra sucessora do DNA eslavo cedia o espaço de suas intimidades para que pudessem gozar de um alojamento seguro. Num mundo repleto de corações envenenados e portadores da síndrome de narciso, talvez não seja à toa que o documento mais importante do país afirma: “A família, base da sociedade...”. Ainda que gerações passem, lares sejam desmanchados, tecnologias venham, só a família permanece. Não só permanece como faz uma de muitas pequenas Kievs em sublimação nos Campos Gerais ganharem uma leitura solidária e abundante de esperança.

Aos irmãos Jeroslau e Maria Antônia, uma mensagem deste cronista: o vapor da antiga morada já foi recepcionado pela atmosfera. E sabe quem estava lá para guardá-la celestialmente? O imigrante de Kiev! 

Texto produzido no âmbito do projeto Crônica dos Campos Gerais da Academia de Letras dos Campos Gerais.

PUBLICIDADE

Recomendados