Mabel tem projeto para reduzir filas de espera com especialistas

Ponta Grossa

21 de outubro de 2020 19:20

Afonso Verner


Relacionadas

Saiba o que é permitido e proibido neste domingo

Antes de sair de casa, consulte seu local de votação

Barroso pede que eleitores não deixem de votar

PG vai às urnas para escolher entre Mabel ou Elizabeth
Pandemia impede que 9,5 mil ponta-grossenses votem
PG supera 9 mil casos confirmados de covid-19
Homem é preso em convento após matar rapaz em PG
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Primeiro compromisso é de zerar em três meses as filas do ultrassom obstétrico e morfológico; hoje são mais de 1,6 mil mulheres esperando pelo exame

Criar uma agenda positiva para solucionar o problema das filas para exames e consultas com especialistas é uma das propostas para a área da saúde da candidata Mabel Canto (PSC). O planejamento inclui o levantamento da situação real desse histórico problema, busca por parcerias e a criação de critérios para a realização de exames e consultas. Além disso, serão criadas as Policlínicas da Família. A meta é utilizar a estrutura dos antigos CAS para consultas, exames e atendimento especializado voltado à atenção básica de saúde. Os espaços serão equipados com ultrassom, raio-X, além de contar com equipe multiprofissional com os encaminhamentos sendo feitos pelas Unidades Básicas de Saúde.

“Vamos zerar em três meses as filas do ultrassom obstétrico e morfológico. No início do próximo ano ainda estaremos vivendo sob a pandemia e assim precisamos realizar um planejamento para que essas filas não sejam mais represadas. O número de ultrassons, por exemplo, em janeiro estará maior e para zerar a fila e reorganizar o sistema, teremos que estabelecer critérios. Todas as unidades de saúde têm suas gestantes cadastradas e por grau de risco. Essas gestantes entrarão numa fila de prioridade. Nenhuma deixará de fazer, mas será estabelecido um critério”, reforça Mabel Canto.

No caso da oftalmologia, o número é muito grande. Contudo, muitos pacientes precisam de uma consulta para ver que tipo de óculos precisa usar, por exemplo. “Mas nesta fila de 4 mil podem ter pacientes com outras doenças e que precisam ser priorizados, como catarata e glaucoma. Cada Unidade de saúde poderá criar uma fila e separar por grau de risco para atender primeiro os que mais necessitam”.

Com as outras especialidades, a equipe de saúde usaria o mesmo princípio de estabelecer um planejamento. “É preciso conseguir a consulta com o dermatologista e o exame que ele vai pedir, que pode ser uma biópsia. É preciso garantir todo o pacote de serviços, como a consulta e o agendamento da cirurgia, quando necessário para não criar um outro problema. Para equacionar essas questões é preciso fazer um bom diagnóstico das necessidades e um planejamento garantindo que os pacientes de maior risco tenham prioridade”, analisa Mabel Canto.

As informações são da assessoria. 

PUBLICIDADE

Recomendados